À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Ocilongua: ombangulo vonjo (parábola: a comunicação no lar)

UMBUNDU


Kuakala ukuenje umue okuti, omo kasolele upange wokulima, wavanja upange vocakati kolupale waye. Vokuenda kuoloneke, yu wainda lokulilongisa elimi lio'putu. Lo ame layo vo yafetika okuvokiya.
Eteke limwe, vokuenda okuñualañuala, wasokolola okulya osanji lovakamba vaye ko'nanya. Okwiya wosika ndona yaye hati:
 “Ó mulher, vou trazer meus migos. Tráta lá aquilo!” (eye kalongisa oputu yaco ku ndona).
Vokutiuka, weya apa lesanju, lesolo kumosi. Puãi hati ndivanjiliya pevindi, osanji alopo yeyi yivanja pevindi, kayapondelwe, kayatelekelwe.
“Mas, ó mulher”, osanji kwayitelekele?
Sio! - Ukai watambulula, lelyanjo.
“Mas eu não disse trata lá aquilo”?
 Oco mwele ndapanga. Omo okuti walinga heti tala tala kilu, ndasima siti ukuetu mbi wasakalala lombela. Oko mwele ndalaaaaña loku tala tala kilu, ndamuna wacinuma.

(Wasapuila ko kota lyange Rosa Ngueve Gociante Patissa)

PORTUGUÊS


Era uma vez um jovem que, por não gostar de ir à lavra, arranjou um emprego na urbe da sua localidade. E foi aprendendo a língua portuguesa com o tempo, o que veio a estar na base do aumento da vaidade.
Certo dia, enquanto saía para um passeio, entendeu que voltaria com os amigos para o almoço, dando à esposa a seguinte orientação:
Ó mulher, vou trazer meus ‘migos. Trata lá aquilo! (ensina já a língua portuguesa à coitada da mulher, nada!).
Voltava, alegre, com aquela água na boca de quem espera degustar uma “galinha gentia” bem guisada, e tal… Só que, para a sua surpresa, a galinha continuava no canto, viva, não guisada.
Mas, ó mulher, não cozinhaste a galinha?
Não! – respondeu, nas calmas, a mulher.
Mas eu não disse trata lá aquilo?
Foi isso mesmo que fiz. Passei o dia a espreitar o céu, ainda pensei que tivesses alguma paranóia com a chuva. Tal como mandaste (tala tala kilu), não fiz outra coisa o dia todo.

(Chegou-me através da irmã mais velha Rosa Patissa)

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Olusapo(conto): Ukuenje wakwelisiwa lohosi (Um moço que casou por causa do leão)


(UMBUNDU)

Kuakala ukuenje umue wamuinle eñanya mekonda lyokusola afeko vavali. Cakala osimbu, otembo yina vasiatele okwenda komonda, ko Njoaine, ko Transval, vamwe ovingu yitola ocikalasãu. Eye vo elitoko liaño ko, lilinga usumba.
Ukuenje apa nda walula ufeko asole, puãi ocitangi ceci okuti ufeko kosongo yavo kupanla. “Omo lyaco, una ndisole oco sikokavise kohondo, mbanja umwe ño wokupuyukisa oloñeyi, wopocipepi nda ño su sole”, ovio olondunge asokiya. Cilinga ombinda, ndopo yaco ufeko kasole wamina. Olonjali viufeko wavali, eci viakaciyeva, apa kavyiuvilikiya…! Una ukuenje hati:
- Lalimwe eteke ndasokiyile omola wene nda ndona yange. Sikuata ko! Kwenda oco ombinda yange!!!…
Olonjali yu vyopula viti:
- Ombinda yanye, nda cinena omola kilu lyeve ove wacikulihã?!
Opo lyolyo hó!!!. Olonjali vyukuenje vo ufeko omisi ndeti kavosanjukilile, puãi ceci ño okuti “ove olinga ukuenje ove mwele wacinyola”. Eye watwatwako lokupembula:
- Ene ulinga omanu vimbo, omunu opilikiwa okulya lamela v’ocitina, osimbu okuti ositu ayeva vusenge yivolela vonjo?
Ema lyamamako, puãi isia yufeko waminisiwa ovanja ño. Ondaka atambulula yeyi okuti kakuli cituva otembo; oloneke eci vyamako olondunge vikatyuka.
Osande yukuenje, ndomo eye mwele acisima, yakala pokuti osongo yufeko asole ocipanla, londaka yokuti walueyisa handi yakala okañunuñunu. Oñolosi oyo oñolosi, ukuenje mba olimba vonjila okukasanda ndambi yaye. Ungende wosi utima wundundula longeva, locisola, lelavoko lyokupita p’uvelo w’ocindumba peteke lyokukwela.
Eteke limwe apa walimba vonjila, wavandekela konjo yondambi yaye. Wainda ko mwele okacinanla toke akaiñila veyawu lyatukutuku vacindele cikolonya kaputu. Okwiya ati ndivanja ndeti kesinya, ohosi yisenga senga alenge, kwenda yililepusula komela. Ukuenje ati “tatiééé, etali ndataka”… Ocikwata okutiuka lolupesi umwe wapalama, kumosi lokulikutilila kwenda okupalamisa ombinda. Vokuvanja konyima alopo wamola okuti ohosi yoyiya.
Walinga mwele lupuke, lupuke, toke ocipepi lokimbo oku atundilila. Okwiya ohosi yatakata. Wamola ño okuti cimwe alopo coco kovaso. Vokuvanjiliya ciwa, wacilimbuka ocinyama. Oñualapo lokulupuka kumwe kakusetekiwa. Oko alale lolupesi. Olinga ño eci apitila kesinya ocipepi lonjo yaye, ohosi yeyi kovaso. Puãi mbi ndityuka kimbo lyandambi yaye oku atundilila, ohosi alopo yeyi. Pana akuti mwele wasoya, oco ño ocinyama cakatakata. Lapa cainda vali kamwile po, eci amola ciwa mwele eñanya. Utanya vali kasinjile okutwa, ati ame ndikwela. Wasima okuti ondiangu yatunda pimo lina alikala.

Watusapuila ko ukulu
Víctor Manuel Patissa (1946-2001)
www.ombembwa.blogspot.com

(PORTUGUÊS)

Havia um moço que experimentou um grande azar por ter duas namoradas. Isso deu-se há muito tempo já, na época dos contratados em Transval e Joanesburgo, do tempo em que o valor das calças dependia do vinco. O nosso jovem então, e lá mesmo no seu kimbo, era bangão de verdade!
Gostava muito da sua namorada, mas esta morava numa aldeia de se dizer muito distante. “Para poupar a minha amada, terei de arranjar uma vizinha para satisfazer as vontades”, decidiu. Para sua surpresa, essa nova rapariga logo engravidou. Ao tomarem conhecimento do ocorrido, os pais da menina mandaram chamar o jovem, e este pôs-se a refilar:
- Nunca me passou pela cabeça ter a vossa filha para casar. Longe de mim! Isso até é meu azar!!!
Os pais da rapariga indagaram:
- Como assim, azar, se você sabe como surge um bebé?!
Estava instalada a polémica. Os pais do moço também não gostavam daquela moça grávida, preferiam a primeira, mas “foste tu mesmo, ó filho, que arranjaste o problema”, diziam. E ele retorquiu:
- Ó povo da aldeia, a pessoa é obrigada a comer verduras, quando até tem bué de carne de caça?
O caso já se tornava desagradável, tal era a língua virulenta do rapaz. O pai da rapariga dizia que era tudo questão de tempo, que tarde ou cedo ele ganharia juízo.
A sorte do rapaz, como ele próprio achava, era que a moça preferida morava distante, e não se apercebera de que havia outra rapariga, e pior, grávida. Bastava cair a noite, para ele se meter a caminho, para ir namorar, guardando bem o segredo. Acelerada era a pulsação, aquela ansiedade de coração apaixonado, expectante, imaginando o casamento ideal.
Num desses dias, lá ia o rapaz em direcção à distante aldeia da amada. Andou um bom bocado, até estar no centro da ponte de carros, dos poucos portugueses do regime colonial da época. Ao enxergar no fim da ponte, deparou-se com um leão, que abanava a juba e lambuzava os lábios. E sussurrou: “estou lixado, meu pai”… Desatou, então, a correr desesperadamente, a uma quilometragem difícil de calcular. Passou a noite inteira a correr. Quando chegava numa margem, via o leão em frente. Dava meia volta, e a cena se repetia do outro lado da ponte. Só mesmo depois de muitíssimo cansado, com a língua bem de fora, notou o desaparecimento do bicho. Não viu mais onde fora, viu é o tamanho do azar vivido, isso sim. Não esperou mais o sol raiar para anunciar que se tinha decidido por casar com a rapariga grávida, convencido de que o susto tinha a ver com isso.

Adaptação da estória contada pelo velho Victor Manuel Patissa (1946-2001)

ociluvialuvia co hosi casangiwa vo (foto do leão algures na) Internet