À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Olombangulo

«Nós muitas vezes acusamos “o outro” de nos ter colonizado. Portanto, o nosso discurso quase sempre faz referência à colonização portuguesa, mas nós nos esquecemos do “colonialismo” de nós próprios. Hoje há mais repressão aos curandeiros do que no tempo dos portugueses. Hoje, há mais assimilação da cultura do “outro” do que no tempo de Portugal. A libertação nacional ou a libertação espiritual é um processo que deve continuar.» - Paulina Chiziane, escritora moçambicana ao programa A Páginas Tantas, canal TVM de Macau, disponível no Youtube

domingo, 27 de julho de 2014

Ocilongwa

in «Não Tem Pernas o Tempo» (novela), União dos Escritores Angolanos, Luanda, Angola, 2013.

Ovilongwa

"Eci cakala osimbu, polonambi pali uloño volombangulo. Kaliye, volupale, omãlã vainda ponenle, vakaimba ovikanda. Cisapeliwa ka vacilete, pwãi cimwe ndaño eci calya omunu ka vaci.
(Tentativa de tradução do Umbundu: No nosso tempo, antigamente, colhia-se sabedoria nas conversas de um óbito. Hoje, nas cidades, os mais novos isolam-se para jogar cartas (sueca), não seguem o que se conversa, às vezes mal chegam a saber a causa da morte) - Alfredo Gociante, tio meu materno

sábado, 26 de julho de 2014

"Omanu vaindela posi, ene olomoto wuvivolisa"

Pelos becos do bairro benguelense que cada vez mais se vê tentado a desistir do sonho alcatroado, o ancião deu um instintivo salto para escapar, iminente que se fazia o atropelamento por esses triciclos motorizados com carroçaria, conhecidos como kaleluya. "Omanu vaindela posi, ene olomoto wuvivolisa", reagiu com repulsa o ancião, a quem aborrecia menos o risco de atropelamento nos becos do seu próprio bairro do que aquilo que via na carroçaria: uma moto delop empoeirada, com ares de degradação por falta de uso, muito provavelmente a caminho de ser descartada. "As pessoas andam a pé, e vocês entregam as motorizadas ao apodrecimento".

domingo, 20 de julho de 2014

Acaba de sair mais um ensaio sobre tradição Oral Umbundu. Leia no JORNAL CULTURA nº 61, de 21 de Jul a 3 de Ago, pág. 9.

Oratura: ACEITAMOS «OKUPOKIWA» EM DIAS DE CARÊNCIA?


Em outubro de 2005, visitei zonas recônditas no Sambo, comuna do município da Cikala Colohanga, no Huambo. Fiz parte do grupo de pesquisadores a grupos focais ao serviço da inglesa «Save the Children». Os alvos eram crianças órfãs e vulneráveis na Ombala de Ciyaya, capital tradicional de cinco aldeolas de refugiados provenientes da Zâmbia, cerca de oito quilómetros da comuna de Samboto. A povoação ressentia-se do fim da assistência do Programa Alimentar Mundial, agência humanitária da ONU.

Mesmo que o código de conduta da «Save» não proibisse gratificações de ordem material daqueles aldeões que ensaiavam a readaptação, finda a guerra que um dia os afugentou, o quadro crítico de penúria dizia bem que nada tinham para oferecer. Para se ter ideia, ainda aos nove anos, várias crianças andavam na produção de carvão vegetal para sustentar pais e avós, muitos dos quais dependentes de aguardente artesanal.

A recolha de dados ficou concluída com êxito em uma semana, conforme o plano. O que, entretanto, não esteve previsto foi a tensa conversa com o Soba grande da Ombala na hora da despedida. Fazia questão de nos regalar com duas galinhas, dois quilos de feijão e alguma batata-doce. E agora, o que havíamos de fazer? Receber, ou não?

Uma comissão reuniu-se no cantinho, tendo como interlocutora a mais-velha do grupo. Primeiro, era-nos enorme a empatia pelo sofrimento, não fazendo grande sentido despenderem do já tão pouco. Segundo, o código de conduta proibia-nos, pois não estávamos ali em visita, mas a trabalhar sob pagamento. O Soba, que sabia ao mesmo tempo ser cordato mas intransigente, considerou de improcedente a nossa visão. Não é «nosso», sublinhava, terminar uma visita sem «okupokiwa», símbolo de hospitalidade!

Como o leitor terá já percebido, cá estamos com mais um estudo, outra vivência para abordarmos aspectos da tradição oral do grupo etnolinguístico Ovimbundu. O verbo «okupoka» (regalar) ou «okupokiwa» (ser regalado) refere-se a bens alimentares para a boa hospitalidade, genericamente servidos como refeição, donde se destacam a «ocisangwa» (bebida feita à base de farinha ou rolão de milho, conhecida pelo seu aportuguesado quissângua) e a galinha. A norma do bom acolhimento assenta no adágio de que «ukombe elende; ndopo yaco lipita» (o visitante é nuvem; passa logo).

Quanto às regras de confecção, é certo que cada grupo entre os Bantu do território de Angola tem particularidades próprias. No essencial, a galinha é guisada e servida com todas as partes que a integram, reservando-se ao visitante a primazia de abrir a mesa e escolher das porções que bem entender. Não devem faltar o coração, as tripas, as coxas, as patas, as asas, a moela e por fim o rabinho. Dado o risco de o visitante levar à risca o direito que lhe cabe, e daí apossar-se da tigela inteira, outras iguarias não tão especiais complementam a ementa para os anfitriões, tais como o feijão e as verduras. Daí que esta praxe exija dos anfitriões uma preparação das crianças, por não ser propriamente frequente para consumo o abate de animais de criação.

Julgo não estar muito longe da verdade se afirmar que os Ovimbundu levam muito mesmo a mal qualquer gesto passível de ser interpretado como desprezo ou colocar alguém na condição de mendigo. É óbvio que nem tudo é linear. A vida na cidade é cara, aliás bem eloquente é o aforismo: «ohombo yilya opapelo, omunu olya olombongo» (cabrito come papel, pessoa come dinheiro). Tal não é, porém, a herança ancestral de povo camponês, criador de gado e caçador, como dá a entender a máxima «casupa oco catenlã» (se sobrar, é porque satisfez), ou ainda «nda cipwa, cipwe; ocipa ha nanga ko» (se gastar, que gaste; pele de animal não é tecido de algodão).

Tão sagrada é a boa hospitalidade que, ainda hoje, é quase uma questão de arte o papel de bom visitante lá onde os anfitriões estejam conglomerados por laços familiares ou de forte afinidade. Como se desenvencilharia o caro leitor se cinco lares, na razão de uma galinha por cada, lhe fizessem chegar à mesa o prato? Ora, o segredo está em comer um bocado de cada lar. De outro modo, fica a mágoa de quem vir a comida rejeitada.

Regressemos, pois, ao dilema do Soba grande de uma aldeia de refugiados em extrema carência mas que exigia que aceitássemos a oferta de bom hospitaleiro. Ora, entre a ética positiva de base ocidental e a costumeira africana, onde os anciãos são por vocação uma entidade, tivemos de arranjar um meio-termo. Não era prudente afrontar uma autoridade tradicional, quando se iria caminhar cerca de dez quilómetros em mata cerrada. Foi então que juntamos o que sobrou da nossa logística, se bem me lembro uma lata de leite, grade de gasosa, uns cinco quilos arroz, massa, óleo alimentar, sal, sabão, peixe seco, entre outros, que não ficaria por menos dez mil kwanzas.

Para terminar a reflexão de hoje, diríamos que «okupoka» é um gesto simbólico de boa hospitalidade, geralmente ligado a géneros alimentares, que tanto podem ser consumidos durante a estadia, ou levados como lembrança.
Gociante Patissa, Luanda, 12 Julho 2014

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Oratura: O CÂNTICO DE KAPALANDANDA E A DÚVIDA DA MINHA ADOLESCÊNCIA

É frequente ouvir-se a referência ao “tempo de caprandanda” (grafia errada, pois não temos “R” em Umbundu e o “C” tem pronúncia diferente de “K”). Quando foi e o que houve?

A minha adolescência foi marcada por um quadro complexo no Lobito, onde a residência se confundia com dependências das administrações comunais da Equimina e Kalahanga, uma alguns anos depois da outra. Como as deslocações de pessoas e bens eram mediante as guias de marcha, “trabalhei” também como dactilógrafo do meu pai, na sua condição de Comissário Comunal, mas sobretudo como pombo-correio da correspondência familiar entre Lobito, Catumbela e Benguela, na maioria destes casos até… a pé.

A exposição à propaganda despertou cedo o meu interesse de observador da política. Evidentemente, havia familiares que (às escondidas) não alinhavam com o Mpla. Estamos a falar entre 1988 e 1991. Calhava encontrar este ou aquele a ouvir a Vorgan, rádio da Unita, com o volume baixinho. Foi assim que certo dia retive um trecho dolente do cancioneiro Umbundu num gingle: “Kapalandanda walila / walilila ofeka yaye/ kapalandanda walila/ walilila ofeka yaye” (Kapalandanda chorou / chorou pela sua Terra/ Kapalandanda chorou / oh/ chorou pela sua Terra). Mas quem foi e chorou porquê? GP

NOTA DO BLOGUE OMBEMBWA: Segue-se, com pequena adaptação, o contributo de Carlos Duarte, in «Jornal o Chá», da Chá de Caxinde, Nº 10 - 2ª série, Abril/Maio 2014:

“Kapalandanda era sobrinho do Soba Kulembe, da Catumbela. Ia ser Soba. Agiu de 1874-1886. Adolescente, ganhou fama por ter morto sozinho um leopardo que andava a comer as cabras (…) Ainda jovem, inconformado com a passagem e estadia de caravanas de (…) comércio, levando panos e sal para o Huambo – Bailundos – e trazendo borracha, cera, mel e marfim – sem pagamento, pediu uma audiência ao Soba, seu tio, e aos sekulus, onde tentou convencê-los a que fosse cobrada uma taxa – «Onepa» - a essas caravanas. O Soba, acomodado e com medo da reação dos colonos, não concordou. Kapalandanda então reuniu um grupo de guerreiros e foi para o mato, armar emboscadas e assaltar as caravanas, cujo produto, confiscado, era em parte distribuído pelos kimbos do sobado.

Quando os colonizadores tomaram conhecimento, foram falar com o Soba para que tomasse providências e acabasse com essa resistência. O Soba reuniu os melhores guerreiros e ordenou-lhes que fossem pegar Kapalandanda. Mas o resultado foi o contrário do previsto. O grupo de Kapalandanda dominou e derrotou fácil os guerreiros de Kulembe. Os colonizadores resolveram então fornecer armas de fogo o Kulembe, acreditando que, com essa vantagem, acabariam com o grupo guerrilheiro.

Mas Kapalandanda, agindo como um Robin Hood angolano, tinha já granjeado a simpatia de grande parte dos kimbos do sobado; então, emissários dos kimbos saíam para avisá-lo da movimentação das forças de Kulembe, o que lhe deu condições de espera-las para o confronto, em local que lhe era propício, anulando assim a vantagem das armas de fogo.

Uma vez mais a tropa de Kulembe foi derrotada, e Kapalandanda ficou melhor armado. Os colonizadores resolveram então enviar uma companhia de tropa portuguesa, comandada por um capitão de nome Almeida, para submeter Kapalandanda. O encontro deu-se no Sopé do Passe. O grupo de Kapalandanda saiu derrotado e ele levado preso, primeiro para o Forte da Catumbela, e depois para S. Tomé.” 

domingo, 13 de julho de 2014

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Diário: E SE JUNTÁSSEMOS DIVULGAÇÃO CULTURAL À HONESTIDADE?

Venho notando com satisfação o cada vez mais crescente interesse pela partilha de sabedoria popular nas línguas nacionais de origem africana. É de louvar, principalmente quando se trata de murais de gente mais nova, se tivermos em conta a conotação de que a maior tendência nas redes sociais recai para futilidades. Só me deixa aborrecido notar que quanto à língua Umbundu, não poucas vezes, algumas almas mais não fazem do que ir copiar dizeres aos meus blogue www.ombembwa.blogspot.com e mural do facebook, para colarem em seus murais ao pé da letra. Na minha ingenuidade, acredito que a sabedoria popular é património imaterial colectivo, de qualquer um que por ele tenha a mínima sensibilidade, mas que a tradução é de cunho pessoal. E essa preguiça só pode multiplicar eventuais erros do tradutor "imitado", até porque a Internet não pesquisa, não avalia, não escreve e... não erra. Divulgar a nossa língua e cultura, sim, mas com o mínimo esforço de honestidade intelectual.

Gociante Patissa, 3 Julho 2014

Do amigo Efraim, em Umbundu, via SMS:

"Uteke uwa,Suku tate akulave kwenda akusumunlwise.Ndeci a sumunlwisa Yovi." (Tenha uma boa noite, que Deus pai o cuide e abençoe. Tal como abençoou Job)

terça-feira, 1 de julho de 2014

Kulya, eh, walya/ a fumbelo/ waliminlã ongamba/ okwambatelako elye/ ókulu?"

"Kulya, eh, walya/ a fumbelo/ waliminlã ongamba/ okwambatelako elye/ ókulu?" (trecho de um canto de resistência do cancioneiro Umbundu) - comer, oh, comeu/ o latifundiário foi avarento para com o servo/ quem te há-de carregar os haveres/ ó velho?

"Sipiseko ka mãli ekwanyu; ve yamãle ka mãli umbumba"

"Sipiseko ka mãli ekwanyu; ve yamãle ka mãli umbumba". (Adágio Umbundu) - 'empresta-me o teu cigarro' não sacia a ânsia de fumar; marido alheio não preenche os vazios de solteira.