À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Fábulas da nossa Terra: "Omunu amunu ko" (A pessoa não é pessoa) - Umbundu/Português

Umbundu

Eteke limwe, vusitu, ukongo wayeva ava vakwa, ndokupinga ekuatiso oco vapopeliwe kolofa. Heti ndamako, wasanga vokueve mwapatukila ohosi, onyoha kuenda omunu.

Okueve ociliva, kufenliwa ocitunyo, noke kilu kusitikiwa, oco ocinyama cipatukile vocikulungu, okutunda kacitava. Puãi, eteke olio ndoto, avinyma ko ño lika, muafa vo ukongo womitanjila. Okañunuñunu kovimbo kakakulihinle, la pana okuti kapapitiwa, pakola, eye vali kaipo.

Olio ekumbi apa lio lienda, ukongo ongusu vo kakuete ño yenda oko loko. Kosi yocitunyu valikeketa evalo lusumba, “mopele weh, mopele weh!”.

 Ovê, okongo, mopele ame ndi hosi, omunu amunu ko…!
 Kukatave, okongo, hinse ame ndimunu ndove, ohosi ocimelenle…!
 Hinse ame ndinyoha, lohosi lomunu kavakoleliwa…!

Ukongo walinga yevelele, ohenda yokuata, kumosi lutõi. Onanla mo tete munu, ukapa kongongo. Munu wapandula lokulikuminya okusumbila una woyovola. Onala mo nyoha, casula ko ohosi. Lavo vo vokupandula haimo.

Teke limwe, hosi yeya okusuñinyisa ko ukongo. Muna vokusapela, hosi wapula:
 Oteleka likaliove, ndona yupi?
 Sikuete oñuatisi. Oco mwenle nda dacilwa, ndilala onjala! – ukongo wakumbulula.

Ohosi yakanyanenle ufeko ume waposoka calwa haeye onalavai. Ukongo wapandula ondambi vonenenla. Puãi cenda ombinda, ufeko omonla a Soma. Eteke limwe omunu una ayovuile vokueve ati ndipita, walimbuka ukãi. Okuiya ocikuata okukasapula kusoma. Owiñi wakuatiwa lenyeño vokusokolola okuti, puãi ohosi yanyana ufeko, elumbu lyukongo. Vokapa vikolo, toke vokayike. Onyoha eci yakaciyeva, yeya vokati kuteke okunyunla cikonde, luloñuinla po ati:
 Tulinga ndoto: Soma kuti olaña laña ño lokutumanla, lokepia kaindi, ame ndikolumana. Ove osala lombenje eyi ndeti, omo munli ovihemba vikusakula una walumaniwa lonyoha. Eci valungula okuti soma walumaniwa, helie okuete ovihemba, ove olitukulula.

Ndomo capopiwa, omo ceya okukala. Soma walumaniwa, cikonde wasakula, kuenda ekandu liaecelua. Pokuenda konjo, ukongo wasokolola peteke lina ayovola ava vapatukilile pokueve, capianla olondaka via nyoha la hosi: “omunu amunu ko” eci ca siata olonjanja.

Olusapo woyiwa la Gociante Patissa (Wosapuila ko sekulu Valeriano Manuel Kalui Patissa), Bairro da Santa-Cruz, Lobito, 28 de Fevereiro de 2011

Português

Certa vez, na mata, um caçador ouviu gritos de socorro. Ao aproximar-se, viu uma armadilha, onde desesperavam um leão, uma serpente e um homem.

“Okueve” é um tipo de armadilha em jeito de poço. Uma vez accionado, o tecto de palha cede e não há presa que se salve sozinha. Naquele dia, porém, constava entre as presas um ser humano, que era caçador e viajante. Desconhecia os segredos e lugares sagrados daquela aldeia. Pouco faltava para anoitecer, e o caçador estava já sem vigor naquele dia. No fundo do poço vinha uma onda de gritos, entre a dor e o medo: “salve-me, por favor, salve-me por favor!”.

 Caro caçador, salve-me a mim, o leão, que pessoa não é pessoa…!
 Não aceite, ó caçador, melhor salvar-me a mim, ser humano como você, que o leão é letal…!
– Melhor eu – disse a serpente – o ser humano e o leão são perigosos…!

O caçador comoveu-se e veio a força. Puxou para fora do poço o ser humano. Resgatou depois a serpente, e por último o leão. Todos prometeram agradecer e respeitar.

Numa bela noite, o leão foi à casa do caçador seroar. E durante a conversa, perguntou:
– Onde está a sua esposa, que não lhe prepara o jantar?
– Não tenho companheira. Assim, se chego tarde à casa, passo fome. – respondeu o caçador.

O leão raptou uma bela moça. O caçador alegrou-se com a chegada da companheira, que tanta falta lhe fazia. Mas para seu azar, a moça era filha do Rei, portanto, andava a aldeia toda à sua procura. E logo foi achada. Por quem? Justamente por aquele homem resgatado da armadilha. Ávido de ganhar os elogios do Rei, foi contar que o leão mais não era do que um truque do caçador solteiro. Lá o caçador foi capturado, amarrado e preso. O relato chegou aos ouvidos da serpente, que no calar da noite foi ter com o herói caído em desgraça. E cochichou:
– Façamos o seguinte: como o Rei passa o dia relaxando, vou-lhe aplicar uma boa mordidela. Fica com essa cabaça do antídoto. Quando o alarme soar, diga que você consegue curá-lo.

Como previsto, o golpe da serpente aconteceu. O preso curou o Rei e foi perdoado. E de volta à casa, o caçador lembrou-se do dia em que salvou três pesas de uma vez, muito mais das palavras da serpente do leão: “a pessoa não é pessoa”, ou seja, o ser humano em muitos casos não presta.

Adaptado por Gociante Patissa (contado pelo velho Valeriano Manuel Kalui Patissa), Bairro da Santa-Cruz, Lobito, 28 de Fevereiro de 2011

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Ocilongua: parábola Umbundu

"Wakupa onjeke wakupa okutumunla"

tradução: quem te recebe um saco poupa-te do esforço de o levantar.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

ocilongua (parábola)

"Kunde kayandela kowangu, oco ongombo wata la muku" = Se o feijoeiro consegue crescer entre o capim, é porque teve prévio acordo com o rato.

Wasapuila ko kota (contado pela mana mais velha) Arminda Kanjala Gociante Patissa