À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Onepa yocisungo covonembele (parte de um hino cristão)

Umbundu

"Kefetikilo Liungende
cakala esanju lialwa
noke oloseteko viñi, viñi, vieya
valua vasala vonjila
vovaso mweya onjile
capepele casava
calelukile calema".

.................................
Português (tradução livre)

No início da viagem
foi uma grande alegria
depois várias tentações vieram
muitos pelo caminho ficaram
nos olhos só vertigens
o que era bom perdeu o sabor
o leve tornou-se pesado.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Ovilongua kelimi lyUmbundu: «Onganyo yalile Kapoko» (o biscate tirou vida a Kapoko)

Umbundu

Olonjanja vialwa tusiata okuyeva akuti «Onganyo yalile Kapoko». Onganyo puãi nye? Puãi yolia ndati? Kapoko puãi elye? Ndomo tuacikulihã, olonduko vikuete esinumuinlo. Omo liaco, ya Kapoko yatiamela kokupokola. Onganyo, okuyitala ciwa dondaka, yikuete esinla kelimi lyioputu, cilomboloka okuti upange, ale vo ofeto, ale cina koloneke vilo citukwuiwa citi ocinyangu, yendisiwa lomunu umwe okuti vimbo kakuete ño esilivilo lyenda oko loko. Twami ko.

Ndomo ciyevala tunde kosiãhunlu, Kapoko u ndeti, vimbo liaye wakala ulume umwe okuti apako kakuatele. Puãi cenda ovina, ongunsu vo kayokambele, walikapa okuendisa upange wocinyangu, nda kokulimiila, nda kokututa ovitele ale ovikuata.

Eteke limwe, umue ukulu wendamba watula omwenyo. Ocivimbi vacilangeka vocipata, vamwe apa oco vasakalala ale lokusonga etumba. Okwiya vavilikiya Kapoko:

- A Kapoko, tuasukila alume pala okuambata etumba kualangalo vukulu wendamba. Sanda ko vali umwe ukuacinyangu.
Kapoko yu watambulula ati:
- Ame ndulume laco. Kacisukila ale vali okufeta alume vavali. Ocivimbi ndicambata mwenle voñoño, kavela ñ onda cakutiwa ciwa, etumba kutwe.
Sokiye cina ciwa, epata lyatava okuti, nda oco apopia, momo acitenla.

Vaenda muenle ciwa, puãi okupitinla kwalangalo ale kokalundu, Kapoko wafetika okusaluka, omo okuti ocivimbi voñoño kacitundi. Puãi vokuenda ocivimbi cayeya calua, ovate veya okukoka etimba okulamelenla. Tatayale, catuviwa. Ondaka yatumuiwa mbi nda okuteta, locimahõ cokutepa etimba lyaKapoko vetimba lyacivimbi, cikasi voñoño. Una omola wosiwe ati:
- Lalimwe eteke. Tate kala kwata ofuka, kakendiwa lepute. Mba kacitava!
Valete mwenle yo kutenkanva. Okuiya mba vati puãi te okuvakenda kavali. Kenda calingiwa. Kapoko wataka konganyo. Lomunu opanga upange walisetahãla otukuiwa vo ati Kapoko.
Osapi yondaka yeyi okuti omunu okataka kesalamiho, vonganyo omo mutunda omwenyo, puãi pamwe vo luveyi.

Português

É frequente ouvir-se a lenda Umbundu «Onganyo yalile Kapoko». O que é “Onganyo”? Como foi que tirou vida a Kapoko? Quem foi Kapoko? Como é consabido, os nomes têm geralmente um significado. Onganyo, olhando a raiz da palavra, vem do Português, querendo dizer trabalho ou ganho, ou aquilo que hoje em dia se chama biscate, sendo que o seu praticante é uma pessoa com um estatuto abaixo da média. Kapoko vem de "okupokola", obedecer. Avancemos.

Reza a lenda que, na aldeia em que vivia, Kapoko foi um homem sem recursos. No entanto, não lhe faltava pujança, pelo que se dedicou a fazer trabalhos pontuais, fossem de cultivo na lavra doutrem, fosse de estiva/transporte.

Certo dia, deu-se o falecimento de um ancião. Foi deitado o corpo na sala, enquanto uns homens engajavam-se em desbastar madeira para o caixão. Kapoko foi chamado:
- Ó Kapoko, precisamos de homens de braços para levar o caixão do mais-velho ao enterro. Arranja mais um biscateiro.
Kapoko por sua vez surpreendeu:
- Não sou homem de pouca envergadura. Dois pagamentos não serão necessários. Levo o corpo às costas, basta amarrarem bem, e o caixão à cabeça.
Após os acertos, a família concordou: se era o disse, é porque consegue.

A marcha do funeral correu sem sobressaltos, mas chegados ao cemitério, Kapoko começava a entrar em pânico, uma vez que o cadáver não lhe descolava das costas. A baba servia de cola. Várias tentativas redundaram em fracasso. Aventou-se então a hipótese do uso de faca para separar Kapoko do cadáver. Mas um dos órfãos era irredutível.

- Nunca mais! O pai não tem dívidas, não pode ser enterrado com feridas. Definitivamente, não!
Começava mesmo a anoitecer. Decidiu-se por fim pelo enterro do cadáver conjuntamente com Kapoko. E foi feito. Kapoko perdeu a vida num biscate. Ainda hoje, em função da lenda, rotulam-se de Kapoko aqueles que vivem de trabalhos inferiores.
A chave da parábola: o homem está fatalmente condenado a viver à custa do suor, do trabalho vem o sustento, assim como podem vir doenças.

Adaptação da lenda contada pelo velho Víctor Manuel Patissa (1946-2001)