À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

sábado, 28 de abril de 2012

«"Sipise ko" kamãli ekwanyu, vé ya mãle kamãli umbumba» ("Deixa-me fumar um pouco do teu cigarro" não satisfaz o desejo, marido alheio não te faz deixar de ser solteira) adágio Umbundu


SOCORRO: Alguém me ajuda a desactivar janelas pop-up involuntárias nos meus Blogues http://angodebates.blogspot.com e http://ombembwa.blogspot.com?

Como geralmente uso google chrome, não me tinha dado conta. Fui advertido por um leitor e parceiro, o que vim mais tarde a confirmar usando windows explorer. Pelos transtornos, até o problema ficar superado, as minhas sinceras desculpas. 

No dia 26 de Março, Gilceu de Almeida entrevistou Gociante Patissa, realizador e apresentador do "Espaço Literatura", rubrica emitida durante o mês de Abril, à 2ª feira, entre 17h30-18h00, através do programa "Dimensão Jovem", Rádio Benguela, 91.5 e 92.9 FM

terça-feira, 24 de abril de 2012

“Tio” Zé katchiungo yimwe onjimbi yupongo wo wiñi kwenda wo viholo vyetu. Vocisungo caye, “Ngeve”, tusanga mo ulandu wo manu valisole, polé va tepiwa omo lyo kwenda kuyaki


“Tio” Zé Katchiungo é dos cantautores dos prantos da nossa gente e também dos nossos valores culturais. Na canção dele, “Ngeve”, encontramos o relato de amores desfeitos enquanto os rapazes tiveram de cumprir o serviço militar obrigatório.

Ocisungo casonehiwã ndomo - Eis a letra

Ongeva onjivaluko (saudade é recordação)
omunu lokimbo lyaye (a cada um a sua terra)
nda likasi ocipãla (se está longe)
ojongole yokutyukila (o desejo é regressar)
eh mama we (oh mãe)

Ongeva onjivaluko (saudade é recordação)
omunu lu valisole (a cada um o seu amor)
nda valitepatepa (se estão separados)
onjogole yokulisanga (desejo é o reencontro)
eh mama we (oh mãe)

Ame nda kucipopya siti (eu te disse)
Kolela (que aguentasses)
ovita ndopo vipwa (a guerra logo cessaria)
tulisanga a Ngeve (eu voltaria para ti)
Ame okwimba ko ekosi (mal dei as costas)
vo mablãu sa pitilinle (sequer tinha subido no avião)
ove Ngeve wakwela Njuaki (tu, Ngeve, casaste o Joaquim)
Kwa ñwatisile a Ngeve (não me ajudaste, ó Ngeve)
Ngeve, Ngeve (Ngeve, Ngeve)

Ove okasi no Wambu (Voce que está no Huambo)
lamisa po Ngeve (faça chegar cumprimentos à Ngeve)
Love okasi Ko Mbalundu (Você do Bailundo)
tuma ovilamo ku Ngeve (cumprimentos meus à Ngeve)

A Ngeve, Ngeve (Para Ngeve, Ngeve)
Ka lupukile wasala (Quem não correu perdeu a viagem)

segunda-feira, 16 de abril de 2012

"Wakwimbila ombunje wakukulihinla okuyakela" (Olusapo kUmbundu)

Quem te atira a bola é porque deu conta que consegues agarrá-la (adágio Umbundu)

sexta-feira, 13 de abril de 2012

"Wa kupa ocilemo wa kutepulula okutumunla" (olusapo kUmbundu)

"Quem te tira o fardo poupa-te da maçada de o levantar" (Adágio Umbundu)

domingo, 8 de abril de 2012

"Ndandele kimbo, ko Monte-Belo". Como estive a trabalhar no dia 4, minha celebração do Dia da Paz foi na quinta-feira. Fomos passear à comuna natal, que dista duas horas do Lobito, à velocidade média de 80 a 110km/h


 Recém-nascido
 Já são dois. O do fundo fica para a Cristina Galhardo Amado. Ela que se atreva a resmungar o tamanho do abacaxi, nunca mais lhe dou nada. Quem está longe, fica sempre com os sobejos heheheh
 Ligação umbilical entre mim e a fruta. Monte Belo é a comuna que nos pariu a ambos.
  Colhendo "utombo" (mandioca)
 A mana, o sobrinho, o velho Kambuta-comunal e eu.
 A preguiça da chuva
 O maboqueiro para a amiga Dulce Tavares Braga
 "Ocipundo"
 Ponte sobre o rio Kailumba, basicamente um chassis anônimo com mais de três décadas. É um inegável monumento longe dos holofotes.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Cristina Galhardo Amado, como sempre oportuna, passou-me a versão digital de uma gramática Umbundu. É antiga, da época colonial, e não garanto que não tenha imprecisões e até visões dominantes da época, mas também não deixa de ser um material valioso para o que se chama "arqueologia" pelos livros. Grato, sweety! Aqui vai, a quem possa interessar.
http://scans.library.utoronto.ca/pdf/5/22/grammaticadoumbu00pereuoft/grammaticadoumbu00pereuoft.pdf