À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Kuvana vayongola okulilongisa Umbundu - Por aqueles que se interessaram em aprender Umbundu

Ekumbi liaenda - Está a ficar tarde

Esapulo: Ana weya konjo yatiyu yaye, mwele yonjo oko asangiwa. Valisula osimbu. Omo liaco, eye oyongola okuyeva ulandu weya la cimumba, Ana vo olavoka okuyeva ekalo liepata lyatiyu. Puãi, ndomo catuwa oviholo (capiala kulo kombaka), ukulu eye ofetika ko lohango:



Tradução da introdução: Ana chega à casa e encontra seu tio em casa. Há um bom tempo que não se viam. Por isso, ele quer saber novidades da sobrinha, e ela o mesmo. Mas como manda a tradição (pelo menos na maioria dos casos em Benguela) é o mais velho quem dirige o principio da conversa:


Sesa [sé-ssah] – Da-me licença


Ewa [eh-wá] – Sim.


Omangu yeyi – está aqui a cadeira.


Ndapandula – obrigada.


(Por influência do povo Vacisanji, oriundos do município do Bocoio, geralmente a pessoa toma o assento e só depois iniciam a conversa)


Mbo ndia, tio –


Mbo ndia a Ana


Omwenyo wenda? – Como vai a vida?


Wenda ciwa – Vai bem.


Omwenyo wene wenda? – E a vossa? (Nota: como é sempre previsível que um adulto tenha família constituída, se não directa pelo menos indirectamente, então procura-se saber deles no plural).


Wapitila ale osimbu? – Já chegou faz tempo?


Sio. Ndopo mwele – não, agorinha mesmo.


A tiyu, etali kuandele kupange? – o tio não foi ao serviço hoje?


Sio, eteke liange liokupuyuka – é meu dia de descanso (nota: no script convencional para as línguas bantu, o “s” entre vogais não tem o valor de “z”, do mesmo modo, o “g” nunca tem valor de “j”. Outra curiosidade, em Umbundu não usamos a letra “r”).


Tiya yove wasia okakulia. – A tua tia deixou alguma comida.


Oco [ótcho] a tiyu – está bem, tio.


Oyongola ohita l’ombisi, ale ombolo locisangwa? [oyongola ohíta lombissi, ale ombolo lotchissangua] – Queres funji com peixe, ou pão com quissangua?


Mbi ohita mwele – pode (ou deve) ser funji mesmo.


Algumas horas depois de muita “fofoca”.


A tiyu, ndenda yapa – tio, vou já.


Enda ale? – já vais?


Oco[otcho], ekumbi liaenda – Sim, está a ficar tarde.


Kwende ciwa![tchiwa?] – Vai bem, sim?!


Ndapandula. Sala po ciwa! – obrigada. Fica bem!


Kavalamise po! – Leva-lhes minhas saudações!


Oco. Valamisapo vo – Farei presentes. Saúda também os outros (de cá).
...................
Kulisaña kapui! - Até breve!
Gociante Patissa, v'Ombaka

3 comentários:

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Patissa, soberba a licao, meu amigo!!! Queremos mais, muito mais!
Ndapandula!

Angola Debates e Ideias- G. Patissa disse...

ndapandula e kamba Namibiano Ferreira, tuasakela ño otembo yasiata okilinga itito = obrigado amigo Namibiano Ferreira, temos encontrado constrangimentos apenas pela falta de tempo. Sala po ciwa!

José Sousa disse...

Fiquei deslumbrado não só com seu blog, como também pelas suas postages, maravilha!!!
Conheça os meus em:
www.congulolundo.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com

Um abração do tamanho do mundo.