À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Olusapo wapalo(Umbundu): "Ukanda kelivala lyonanya"


Ukanda kelivala lyonanya
 
Twakala vonjo kakuãla ketu. Okucitala ciwa, nda ndilinga siti katatu kavo, omo akuti ame sukuanjo ko, daindelele mo ño ocinyangu, ndokulinga omesene. Ocikuata cavo cokutalalisa vonjo cakala lovitangi, cainda lokutosa ene calua ovava.

Vamuenle yonjo vakala lokusapela. Ndona oku osapela, oku otuta etoka lyoñanã. Umalehe Petulu, puãi nda ekavo nda nye, eye yu walikala o televisãu, eye yu kavanjiliya mo… Ame ndalyuhinla pevindi locimbele cange. Eci ndaimbuka onjala yoyo yivala, ndaivaluka okuti puãi kwaca osimbu, onanya yavo yacilua. Mbi kelivala ale muenle lya mosi, kuakukutu epandu vali.

Okasimbu po naito, kepito vatutula. Ñala Luhaku wavotoka, vakuavo valaulula lutate.

–Ukombe weya! – vayevalisa kumosi ondaka, ndomo casesamenla okutata akombe.
– Omangu yeyi. – Nãla Luhaku eye wapopia, ndokulinga sungu yonjo.
– Pandu, pandu. – Ukombe watambulula, osimbu a tambula omangu.
– Ndati, wa usala?
– Nda usala, andi twapitamo, vyakwavo twalisoka lavyo. Twatambula ukanda, apa tuyeti tuwupitilinsa kuvamuenle. Andi oco lika twimbwisa. Ene kulo ndati?
– Mumosi haimo. Oyo yukanda watambuli, noke uwupitilinsa, tuyipandwila.
– Vakueh, situmanla, ndikuete vo akombe konjo.
– Enda ale? Onanya yetu yipepi…
– Ndapandula, puãi evelo lyalinga litito. Cinene okuti kulimonla kapui.
– Oco. Puãi kavalame po.
– Vyakapitinla. Ndapita!

Ukombe eci akainda, papita ño kamwe, onanya yeyi komesa.
– Oveh, omesa yayaliwa. Osimbu vyatokota, enju, ukanda owutanga noke. – Ndona Telesa wavilikiya.
– Keveleli po ño kamwe. – ñala Luhaku watambulula. – Ndikasi lokwiya.

Papita mbi akui avali kuakukutu, ulume alopo keya. Eye kayulula apa ukanda waco. Omo akuti ocituwa covonjo, Ndona la Petulu kavasimile okutumanla ulika komesa, osimbu akuti isia yonjo katundile ovongende.
– Oveh enju, okulya kukasi lokupola.
– Salingile ale ati keveleli po ño kamwe?!

Vakevelela po vali okacinanla. Okuiya sekulu Luhaku, pana akuti wamanla okutanga ukanda, oyevala heti:
– Ondaka ndatambula… lombili yokulia yainda! Apa li ño, tulila kumosi kondalelo.
Umalehe Petulu, lesumuo kutima, puãi lesumbilo kumosi, wakumbulula losapi yondaka:
– A tate, siti watulongisile okuti hinse okutanga ovikanda cina okuti tulianga okulia?
– Oco, a mola wange. Kacatavele okulikandangiya. Vangecele!

Gociante Patissa, kocila Colombalãu ko Katombela, Vombaka 10/08/2011 (yatayelwa okuamisako kelilongiso lyo okusoneha Umbundu)

3 comentários:

Angola Debates e Ideias- G. Patissa disse...

P O R T U G U Ê S

Conto daqui (versão em Português)


A carta à hora do almoço

Estávamos os três em casa. Vendo bem, diria que estavam os três, uma vez que eu não sou da família, estive lá apenas em biscate, enquanto técnico. O aparelho de ar condicionado daquela casa estava avariado, gotejava demais.

Os donos de casa conversavam. A senhora, enquanto conversava, tricotava gorro de bebé. O jovem Pedro, não sei bem se era devido ao cansaço, tinha o televisor ligado mas não lhe prestava atenção… Eu estava caladinho no meu canto a cuidar da empreitada. Quando a fome começou a chatear, lembrei-me que o dia nascera havia um bom bocado, o almoço é que andava atrasado. Devia ser por volta da uma da tarde e sete minutos.

Passado algum tempinho, batiam à porta. O Sr. Luhaku levantou-se para abrir, os demais observavam com atenção.
– Boas vindas! – reagiram em coro, como mandam os costumes do bom atendimento.
– Por favor, sente-se. – O Sr. Luhaku fez as honras da casa, enquanto cabeça do lar.
– Muito obrigado. – respondeu o visitante, enquanto ocupava o assento.
– Passou bem?
– Passei, não há motivos de queixa, de resto, estamos à altura dos problemas. Recebemos esta carta, por isso venho trazê-la ao destinatário. É o que temos a partilhar como conversa. E aqui, como vão as coisas?
– Igualmente. Quanto à carta que vos chegou, e por isso a trouxe ao destinatário, agradecemos imenso o gesto.
– Queridos, eu não posso ficar mais, é que tenho também visitas em casa.
– Já vai? Então, mas o almoço está mesmo quase a sair …
– Obrigado, mas o tempo hoje está curto. Fica para a outra oportunidade.
– Cumprimentos à sua família.
– Farei presentes.

O almoço foi servido pouco depois de a visita ter partido.
– Querido, a mesa está pronta. Enquanto a comida está quente, vem, lê a carta mais tarde. – D. Teresa convidou.
– Esperem só um instante. – o Sr. Luhaku respondeu. – Já venho.

Vinte minutos volvidos, o homem ainda não se tinha feito à mesa. Mal conseguia abrir o envelope. Como era hábito do lar, não passava pelas cabeças da mãe e o filho comer sem a companhia do Sr. Luhaku, a não ser que este estivesse viajando.
– Querido, vem comer, a comida está a arrefecer.
– Já não disse para aguardarem só um pouquinho?!

Esperaram mais um pouco. Entretanto o Sr. Luhaku, depois de ler a carta, disse:
– A mensagem … deixou-me sem apetite. Por favor, comam, junto-me a vocês no jantar.

O jovem Pedro, aborrecido, mas sem perder os modos, retorquiu pela moral:
– Pai, não foi consigo que aprendemos a comer antes de ler cartas?
– É isso, filho. Não contive a ansiedade. Desculpa.

Gociante Patissa, aeroporto da Catumbela, Benguela, 10/08/2011 (inventado para exercitar minha escrita em Umbundu)

lita duarte disse...

Oi, Patissa.

O que significa: Ekumbi liaenda. Está na fotografia, procurei por aí mas não vi a tradução, ou então não entendi.:)

Até mais.

Bjos.

Angola Debates e Ideias- G. Patissa disse...

Cara Lita, literalmente significa o sol se foi. Bjs, amiga