À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O K está a voltar (artigo de opinião de José Kaliengue)

Há pouco mais de um ano as redacções dos órgãos de comunicação social receberam um documento do Ministério da Administração do Território (MAT) a orientar a forma como se deveria grafar a toponímia angolana, ou seja, como escrever os nomes das localidades. O documento eliminava a letra k dos nomes de muitas localidades, entre as quais o Kuando Kubango, que o Ministério entendeu que se deveria escrever Cuando Cubango. O mesmo se passou com o ‘Cuanza Sul’ e ´Cuanza Norte’, apesar do Kwanza da moeda naconal, sabendo que o nosso Kwanza deve o seu nome ao maior rio de Angola e aquelas duas províncias também. Uma está a Norte do rio a e outra a Sul do rio. Havia outras alterações.

As alterações do MAT, em alguns casos ou nos levavam ao Acordo Ortográfico dos outros, ou nos colocavam numa situação que nos remetia à época colonial, ao transformar o Kunje (no Bié) outra vez em Stº António Gare e o Waku Kungu em Cela, apenas.

Os recentes dias de FENACULT um encontro de técnicos do Instituto de Línguas Nacionais veio recomendar que os nomes de origem bantu sejam escritos segundo o alfabeto bantu internacional, ou seja, o regresso ao k, por exemplo e às palavras nasaladas como Ndongo ou Ndalatando. Parece- me ter ficado claro que a orientação do MAT, que não era decreto nem resultava de alguma concertação do Conselho de Ministros, tinha sido dada sem prévia consulta ao Instituto de Línguas Nacionais. Suponho que nem ao Ministério da Cultura. Resultado: uma grande confusão, com documentos oficiais ora com K, ora com C. e os manuais escolares também com o k.

É hora de o MAT (des)orientar o Jornal de Angola e a TPA para que voltem a escrever Kuito, Kuando Kubango, porque nos jornais do fimde- semana passado, por exemplo, toda a gente escreveu com o K. ou então, o MAT que publique uma nota mais oficial, resultante de um decreto, para o qual, obviamente terão sido escutados os especialistas e instituições oficiais.

José Kaliengue, director do Jornal o País, Luanda, 29/09/14

Nota do editor do BlogNão houve ontem - (refiro-me à era do jugo colonial e respectiva visão etnocentrista) -, como não há hoje - (que somos um país soberano, o que pressupunha não só de território mas sobretudo de fomento de estudos para recompor o tecido identitário) - , diálogo intercultural. É a nossa sina!

Nenhum comentário: