À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Audio/(Umbundu) Tusokololi: TUPOKIWA, ALE SYO, KOLONEKE VYEKAMBO? (Português) oratura: ACEITAMOS “OKUPOKIWA”, OU NÃO, EM DIAS DE CARÊNCIA?

(Umbundu) Tusokololi: TUPOKIWA, ALE SYO, KOLONEKE VYEKAMBO?

Vakwetu, tambuli ovilamo vyetuyu vyukamba kwenda ongeva. Kalungi!

Tulisanga vali locimahõ cokuvangulapo kovituwa vyetu vyutundasyahunlu, ndowíñi wepata lyovimbundu, esinlã lya va Bantu. “Okupoka” calomboloka okupongiya okavinomanoma kokulya eci tutambula akombe. Nda ocisangwa, nda osanji, vyosi ño vina okuti tupongiya oco tulekisa ungavi kwava veyila ovokombe, cityama kokupoka.

Awiñi owo awiñi vakwete okavituwa okuti citava kalitepa naito, pwãi ungavi watanda ko. Akulu vapopya vati “ukombe elende, ndopo yaco lipita”; nda wotata lãnvi, onduko yove yikayevalisiwa lovinja ka vyaposokele. Twakulihã okuti casyata vo osanji okutelekiwa okuti vyosi olonepa vyenda komesa. Ukombe eye onõlamo evi vikola. Haimolumwe, ofetikila vokuvenja vetiyela, okutala nda olonepa vyosanji vyaswapo, ndeci: utima, ovãlã, olongonjo, pamwe evava, utwe, ocikalo, ukutu, uhunyunyu. Omo okuti ka cakulihinlwe nda ukombe okasilapo vakwavo, vyakwavo olombelela vipongiyiwa vo, ndeci ocipoke ale amenlã.

Ociholo eci ndeti cikisika akulu okulonga omãlã vavo, omo okuti ha lonjanja vyalwa ko okuti ocinyama cipondiwa ndombelela yeteku vonjo, osimbu okuti esolo lyositu komãlã ka lipwi. Nda ka lyavalombolwilwe esesamenlõ ale omoko yukombe, cikoka veya vapopya ale valekisa ocituwa cenyeño, ciya cilinga ndocinja cinvi.

Ocili okuti omwenyo wovolupale watinlã. Olusapo walinga ati, “ohombo yilya opapelo, omunu olya olombongo”. Olonjanja vyalwa okuti omanu vapitinla petosi lyokutenda teke la teke oloneka vyosema vikasi pohuta. Ha coko pwãi utundasyahunlu wetu tulinga epata lyolongunja, lyokufuka ovinyama, ale lyakongo. Wapopya walinga ati “casupa oco catenlã”. Wakwavo wavokiya okuti “nda cipwa cipwe, ocipa ha nanga ko”.

Ove enda ovokombe kovaimbo tê okwata uloño, omo okuti omanu vatunga pamosi, osimbu okuti njo la njo wiya otelinsa ocikele cokupoka. Tusokololi ndamupi ove ocipanga nda olonjo cisoka vitãlõ vyakupondela osanji. Osapi yondaka yeyi okuti elonga olyo elonga likwete okumahiwã, kavela ño nda walyako kamwe-kamwe.

Kulima wa 2005, ndatenlã okwenda kwalunda vo ko Sambu, vimbo lyo Cikala Colohanga, vocivanja co Wambu. Twakala endo lyapulisi vo cisoko co Save the Children, okulavulula omãlã volosiwe kwenda usuke, vana vamãla okutyuka kofeka yo Zambia. Owiñi owo watambowaile ekwatiso lyo PAM (Programa Alimentar Mundial), pwãi kovaso yaco ocisoko oco ndoto co ONU ceya okweca mo.

Ekisika twatambula kovihandeleko vyo Save the Children lyokuti lacimwe ondinga upage yikatambula peka lyowiñi. Okutala ale ekalo lyusuke, lovo vo ava tweyila ka vakwete caco cokweca. Omãlã vakwatele anyamo vasoka eceya vayoka akala oco vatekule olonjali kwenda vainakulu yavo. Volosãi epandu, kwakala olonambi visoka ekwim le pandu vyoloñanã. Twakala ko osimanu, lokukulihinsa ekalo. Olonjanja vimwe twapitinlã petosi lyokupwenya aswenlenlã omo lyohali yolonyitiwe vyofeka yetu. Pwãi peteke lyokutundako, Soma watwavela olosanji vivali kwenda apako, ndeci olonjatona vivali vyocipoke kwenda okacitina. Kaliye tulinga ndati? Tutambula, ale syo?

Pokavindi, twapinga ukulu vendo lyetu oco alombolole okuti, catete, ohali yavo tuyiyevite kwenda ka tukwete utõi wokutambula. Cavali, tukwete ocihandeleko cokuti ka tweyilile ovokombe, tweyila upange, twalaika okufetiwa. Soma pwãi wakumbulula ati oco elamba! Lalimwe ekumbi omunu akatundile ovoko pimbo lyaye!

Ove umalehe weya ovokombe, kwenda okainda ungende vusitu, citava osumwisa Soma? Cilinga esunga, twakwata eci casupile po vohuta yetu, ndeci o lata ya senjele, o ngalate yo gasosa, olwoso, omasa, ulela wokutombeka, omongwa, onjapaum, ombisi yakukuta, kwenda vikwavo okavinomanoma kalolapo mwele, oco twava. Okucipanga oselo, mbi ndaño kolokwanja visoka ekwim kolohulukaim catenlã.

Ondaka tunõlã po yeyi okuti okupoka kutunda kuvakukululu yetu, yatyama kokulya okuti, nda ku kuli vovokombe, okwambata. Pwãi, kuli olonjanja vyokuti ukombe ka liyevite ciwa omo lyohali asanga peka lyongavi.

Gociante Patissa, Katombela, veteke lya 25 kosãi ya Kavambi Kanene, vulima wa 2013
---------------------------------------

(Português) oratura: ACEITAMOS “OKUPOKIWA”, OU NÃO, EM DIAS DE CARÊNCIA?

Companheiros, queiram aceitar nossas saudações de amizade e saudades.

Cá estamos de novo para abordar aspectos da nossa tradição oral, enquanto Ovimbundu, povos de raiz Bantu. O verbo “Okupoka” refere-se à preparação de bens alimentares para presentear visitas. Pode ser“ocisangwa” (ou quissângua, como mais facilmente poderá ser entendido), galinha, enfim, tudo aquilo com que mostramos hospitalidade, tem a ver com “okupoka” (dar) ou “okupokiwa” (receber).

Cada subgrupo dentro da etnia poderá ter particularidades, mas a hospitalidade é algo universal. Os mais-velhos disseram que “a visita é nuvem, tarde ou cedo, passa”; se a maltratas, é o teu nome que se espalha por má postura. Sabemos que é costume a galinha ser guisada e servida com todas as partes que a compõem, cabendo à visita escolher as porções que quiser. Contudo, começa-se por confirmar na tigela a presença das partes sagradas, nomeadamente, o coração, as tripas, as coxas, as patas, as asas, a moela e por fim a “cauda”. Como nunca se sabe se a visita vai partilhar a carne, outras iguarias não tão especiais complementam, tais como o feijão e verduras.

Este ritual exige dos anfitriões uma preparação das crianças, já que abater um dos animais de criação para o consumo diário não é costume, ao passo que é próprio de crianças uma gulazinha relativamente a carnes. Se não forem preparadas para os direitos da visita, poderão manifestar desagrado, quer verbalmente, quer por conduta.

A verdade é que a vida nos centros urbanos é cara. Diz o adágio que “o cabrito come papel, a pessoa come dinheiro”. Não poucas vezes, chega-se ao ponto de conferir diariamente os quilogramas de fuba (farinha de milho) na despensa. Tal não é porém herança dos nossos antepassados, povo camponês, criador de gado e caçador. “Se sobrar é porque satisfez”, diz o adágio, ao que um outro acrescenta: “se tiver que gastar, que gaste, trajo de pele não é de tecido de algodão”.

Quando partimos para visitar parentes no meio rural, há que ter inteligência, uma vez que a vizinhança é constituída por ligação familiar, e cada lar procurará cumprir o dever de “okupoka” a visita. Analisemos como você faria se por exemplo cinco lares, na razão de uma galinha guisada por cada, lhe fizessem chegar à mesa numa mesma refeição. O segredo está em comer um bocado de cada prato.

No ano de 2005, cheguei a ir a zonas recônditas da comuna do Sambo, município da Cikala Colohanga, província do Huambo. Fiz parte do grupo de pesquisadores ao serviço da Save the Children na pesquisa sobre Crianças Órfãs e Vulneráveis em uma comunidade proveniente da Zâmbia. A povoação ressentia-se do fim da assistência do PAM (Programa Alimentar Mundial), agência da Nações Unidas.

O código de conduta da Save proibia receber gratificação dos anfitriões. Mas bastava ver o estado de extrema miséria para inferir que nada teriam a oferecer. Aos nove anos, crianças viam-se forçadas a produzir carvão para sustentar pais e avós. Em seis meses, tinham sido registados dezasseis óbitos de recém-nascidos. Durante a semana que lá permanecemos, houve momentos de enxugar lágrimas, tal era o sofrimento dos nossos compatriotas. Mas, no dia da nossa partida, o Soba ofertou-nos duas galinhas e alguns produtos, mais ou menos dois quilogramas de feijão e alguma batata-doce. E agora, o que fazemos? Recebemos, ou não?

Uma comissão reuniu-se no cantinho, tendo como interlocutora a mais-velha do grupo. Primeiro, sentíamos o sofrimento da comunidade e nos faltava coragem para despender do já pouco. Segundo, o código de conduta proibia-nos, já que não estávamos ali em visita, mas a trabalhar sob pagamento. O Soba por sua vez considerou improcedente a nossa visão. Nunca ninguém visitou uma aldeia sem levar símbolo de hospitalidade!

Afrontaria uma autoridade tradicional você que caminhará a pé em mata quase cerrada? Como meio-termo, juntamos o que sobrou da nossa logística, tal como uma lata de leite, grade de gasosa, arroz, massa, óleo alimentar, sal, sabão, peixe seco, entre outros, avaliado acima de dez mil kwanzas.

Para terminar a reflexão de hoje, diríamos que “okupoka” é um gesto simbólico de hospitalidade, geralmente ligado a géneros alimentares, que tanto podem ser consumidos durante a estadia, ou levar como lembrança. Entretanto, vezes há em que a visita se sente embaraçada em função da realidade ou carência do anfitrião.



Gociante Patissa, Catumbela, 25 de Julho de 2013

Nenhum comentário: