À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Os 40 anos do sector da cultura em debate | Fragmentos da intervenção de Ungulani Ba Ka Khosa, escritor moçambicano

“Em termos de grelha de partida, como país, partimos mal. Partimos muito mal, para um país novo, na utopia da unicidade, assumidamente como princípio director da revolução moçambicana, isso de «vamos matar a tribo para fazer nascer a nação». Ora, isso, num país com a diversidade cultural como a nossa, representou um etnocídio. Penso que mais tarde é que o próprio partido [no poder, FRELIMO] se deu conta do erro grande com essa utopia da unicidade e considerou reverter o quadro, valorizando a identidade dos vários grupos que temos.”
(…)
“Em termos de identidade, ainda não vivemos uma cidadania plena. Isto porquê, meus senhores? Porque durante estes 40 anos, vivemos como país um discurso político. E um país que nasce politicamente precisa de se reencontrar culturalmente. Um país faz-se de vários discursos.”
(…)
“Durante estes 40 anos, fomos criando cidadãos de primeira, de segunda, de terceira classe. Não chegamos à realização da cidadania plena. Ainda não tivemos a coragem de nos olharmos ao espelho e cada um ouvir a sua voz interior.”

(Fragmentos da intervenção do escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Kshosa. Apontamentos de telespectador do programa «Debate da Nação», emitido pela STV Noticias, na noite de 03.08.15)

NOTA DO BLOG OMBEMBWA:

Enquanto por cá insistimos em que «a colonização em Angola foi diferente de qualquer outra colonização», como ouvi há dias de uma importantíssima figura da nossa história cultural – como que a legitimar o perpetuar de determinados padrões herdados da assimilação (ainda reinantes, da língua à toponímia, por exemplo), já outros povos, também colonizados por Portugal, discutem, questionam e assumem questões que lhes intrínsecas. Mas dada a nossa natureza «especial», é ponto de partida e chegada a ideia de que o Português não é uma língua alheia em Angola, o que de facto não é, assim como o seu papel de língua de união não devia negligenciar a necessidade de se investir no estudo, classificação e normatização de outras de matriz Bantu e pré-Bantu. O sonho de nação, mais do que apoiar-se na língua, moeda e autoridade comuns, era suposto implicar essencialmente o conhecimento e a valorização do “outro” que conforma o mosaico dentro do mesmo espaço. Isso far-se-ia com políticas concretas para visibilizar e estudar hábitos e costumes (não necessariamente em pequenos documentários televisivos ou em efemérides) e a transmissão de geração em geração, assegurando bases antropológicas, sociológicas, enfim. Oficialmente dizemos que tem sido assim, só que disso não passamos. Tenho dito que a luta contra o tribalismo (que deve continuar, claro está) criou efeitos colaterais nefastos, sendo um deles a quebra da ponte do diálogo intercultural entre a cidade e o campo. Urge debater a Nação! Gociante Patissa,03.08.15

Nenhum comentário: