À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS
PONTOS DE VENDA: União dos Escritores Angolanos; Rede de Supermercados KERO; Tabacaria GRILO (edifício do Mercado de Benguela); Livraria SUCAM, Benguela; Livrarias LELLO, MENSAGEM e na SALA DE EMBARQUE do AEROPORTO INTERNACIONAL 4 DE FEVEREIRO, Luanda

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Notas soltas: Dois pequenos grandes exemplos que nos chegam do interior

Duas cenas saltaram-me à vista, anteontem, durante o funeral de prima minha que perdeu a vida em complicações de parto, na comuna do Monte Belo, minha terra natal no município do Bocoio, que dista por aí uns 90 quilómetros do Lobito.

A falecida era da “Jota” (braço juvenil do partido MPLA). Como tal, aquele movimento fez-se representar por uma dezena de rapazes e raparigas com os uniformes (T-shirts, bonés e panos) de sua ideologia. Até aí, tudo previsível. Surpresa minha foi ver duas senhoras devidamente uniformizadas (T-shirts, bonés e panos) do partido UNITA, que vinham prestar solidariedade pelo passamento físico nas hostes adversárias.

Há uma imensidão de ilações que se podem tirar, incluindo a de um tio meu, que acha que “o outro” teria vindo apenas para provocação. Não foi bem o que me pareceu, quer na postura, quer nos semblantes. Arrisco em dizer que foi fairplay.

Parece que o meu regresso ao Monte Belo acaba sempre cruzando com fenómenos políticos, senão vejamos: meus pais abandonaram a comuna em 1985, à procura de sobrevivência no Lobito. Regressaríamos (não para residir, mas) para cuidar da lavra familiar em 1992, ano das primeiras e imaturas eleições, tendo saído precisamente em Agosto, quando a rivalidade entre os maiores partidos políticos angolanos ia cada vez mais volátil e o retorno à guerra civil iminente. Desde 2008 que venho tendo regressos mais frequentes, aproveitando o “advento da paz”, sem nunca pernoitar. Só o fiz nesta circunstância de óbito, que me deu a testemunhar este exercício saudável de coabitação.

É sabido que é no meio rural onde conflitos de motivação partidária mais ocorrem, quando, ironicamente, quase todos os habitantes estão ligados por laços familiares.

Outro exemplo digno de realçar está no facto de se preservar o papel dos “Vakwacisoko” (organização, classe, categoria, brigada), colectivo voluntário que cuida das tarefas mais difíceis na comunidade. Entre os ovimbundu, são os "Vakwacisoko" quem acende o lume nos óbitos, quem prepara o defunto em caso de indisponibilidade familiar, quem vai cavar a cova. Os seus integrantes gozam de prestígio. Sei, por exemplo, que não têm de justificar, caso lhes apeteça em serviço abater uma galinha, porco ou um cabrito da comunidade, cabendo ao proprietário conformar-se. É óbvio que não chegam ao extremo.

 No Monte Belo, segundo soube, basta que chegue aos ouvidos dos Vakwacisoko a ocorrência de morte, que eles cuidam logo de preparar a cova. O mais interessante é que os mais-velhos estão já a preparar a nova geração para este nível de voluntariado.

Obrigado!

Gociante Patissa, 17 de Dezembro de 2012

Nenhum comentário: